Lutterbach - Fotografia Autoral

            Santiago foi nossa escolha para tirar alguns dias de descanso dessa vez. Fernando fotografou um pouco, claro, mas queríamos desacelerar. Adorei a tranquilidade da cidade, os parques enormes e praças bem cuidadas. E o melhor, as pessoas usufruem do espaço mesmo: durante vários dias reparei muitos casais de namorados deitados na grama - a qualquer hora - curtindo as árvores e um ao outro. E isso tudo bem pertinho do Brasil: apenas 3 horas e meia de avião de São Paulo. Ainda não entendo porque Belo Horizonte não tem voos diretos para grandes cidades da América do Sul; é um pouco revoltante isso e espero que mude em breve!

            Já na ida do aeroporto para o hotel, o motorista me diz que a polícia lá funciona mesmo. Apesar de não ter tido nenhum problema, essa informação não averiguei, mas fiquei impressionada com a quantidade de mulheres trabalhando na guarda e como são sérias, compenetradas, bem vestidas e arrumadas. Adorei os uniformes e os carros deles! Lá não é permitido beber na rua, mas nem por isso a alegria da noite é menor. No bairro em que fiquei (Lastarria) muitos artistas vendiam seus produtos nas calçadas, sem confusão nem sujeira. Alguns cantavam, tocavam, apresentavam cenas teatrais. Tudo isso sem tirar a paz do lugar.

            Lá não tem fuso-horário, mas as pessoas acordam tarde para meus parâmetros. Tudo abre a partir das 11 da manhã e o sol custa a se pôr: perto das 9 da noite. Gostamos da comida (principalmente o Congrio), experimentei finalmente o Pisco Sour (adorei) e pude fazer alguns passeios em vinícolas lindas com degustações incríveis.

            Fui reparando nos muitos cachorros na rua, todos grandes, mas super dóceis. Os vizinhos os alimentam, mas a grande maioria foi abandonada pelos donos de apartamentos pequenos. Isso me cortou o coração. Depois fiquei sabendo que grande parte deles têm donos, que os deixam andar pela cidade sozinhos durante o dia. Que perigo! Santiago, como a nossa cidade natal, também tem muitos mendigos, sempre observo muito essas pessoas, não consigo me acostumar com essa realidade tão triste.

            De toda forma, adorei a sensação de andar na rua sem medo e poder admirar espaços verdes enormes e edifícios lindos! Adorei o Cerro Santa Lucía, vale subir as escadarias!! Gostei do chileno, que em sua maioria ama o brasileiro e faz questão de dizer. Na volta para o aerporto, nosso motorista ficou estressado, pois tinha de buscar um casal que não aparecia nunca, e começamos a ficar aflitos. Fernando avisou que não podíamos esperar mais e ele chegou no carro dizendo: “eram Argentinos... talvez descobriram que a van estava cheia de brasileiros e não quiseram ir”. Depois do riso geral eu perguntei se ele prefere o argentino ou o brasileiro. Ele respondeu na lata que nenhum dos dois. Me assustei com a resposta, e ele completou rápido: eu prefiro a brasileira e a argentina”. Bem humorados, cheios de diplomacia e galanteadores... esses chilenos...

 

Dicas úteis CHILE:

Leve seu passaporte, mesmo não sendo obrigatório;

Dá pra levar Reais e trocar lá, mas as casas de câmbio abrem tarde;

Use o seu aplicativo UBER para andar na cidade;

Hospede-se em Lastarria e faça quase tudo à pé;

Tire um dia para conhecer Valparaíso;

Não se esqueça de conhecer as casas de Neruda e aprender mais sobre a história dele e do Chile nas visitas;

O serviço nos restaurantes é lento, acostume-se e vá com tempo.

Achei o Mercado Central meio fraco, nem perca seu tempo em almoçar lá pois é caro demais;

Os restaurantes que mais gostei: Bocanáriz (maior carta de vinho por taça do Chile); Casa Lastarria; Metizo (por do sol lindo lá); Como Água para Chocolate (aproveite para passear no Patio Bella Vista depois);

Eu adorei o Museu de la Moneda porque tinha uma exposição completa do Picasso, que sorte a minha!

Pode trazer vinho na mala: só saber embalar bem! Indico comprar no supermercado comum da cidade que é mais barato.

Vinícolas: o tour degustação que mais gostei foi na Indómita, amei o espumante de lá, o passeio e tudo que foi ensinado sobre o universo dos vinhos. O restaurante de lá é caro mas vale a pena. O Casas Del Bosque vale pelo cenário deslumbrante e pelo restaurante, que é ótimo, mas não aconselho o tour degustação, a não ser que você nunca tenha vivenciado um passeio assim. Como curiosidade vale passar pelas Bodegas RE para conhecer a história da família do mais importante enólogo chileno (Morandé) e comprar na loja linda de lá. O tour foi meio longo e os vinhos são muito diferentes: Meus preferidos foram os brancos. Ah, foi lá que comprei um azeite incrível e tempero típico chileno chamado MERKEN. Simplesmente viciante: agora até o ovo eu tempero com isso. 

Chile, com certeza voltarei!

Obs: todos os direitos reservados | não use as imagens nem o texto sem autorização

 

The Artist Guild of the Wedding Photojournalist Association WPS International Society of Professional Wedding Photographers